sexta-feira, 10 de junho de 2011

O ESTAFETA SEM RUMO

SOU ANDARILHO PEREGRINO;

Trem sem trilho,

Gramíneas sem milho,

Maquinista valdevino.

SOU ANDARILHO PEREGRINO;

Peralvilho sem chegada.

Bicho campesino;

Correndo pela estrada.

SOU ANDARILHO PEREGRINO;

Com alma de aventureiro,

Espírito forasteiro,

E sonho de menino.

SOU ANDARILHO PEREGRINO;

Remendeiro do passado.

Vidente paladino;

De futuro indecifrado.

SOU ANDARILHO PEREGRINO;

Cego romeiro errante.

Perdido de mim, clandestino.

Fugido da vida, viajante.

SOU ANDARILHO PEREGRINO;

Garimpeiro de ilusão.

Na gruta incerta do destino;

Passarinho sem alçapão.

SOU ANDARILHO PEREGRINO;

Destemido caçador.

Adulto pequenino;

Semente de lavrador.

SOU ANDARILHO PEREGRINO;

Vagamundo alienado.

Missivista traquinino;

Estafeta sem recado.

SOU ANDARILHO PEREGRINO;

Funâmbulo da fatalidade.

Passadas de bailarino;

Galgando felicidade.


Marcus Deminco

Nenhum comentário: