sábado, 17 de março de 2018

Onde comprar as versões eletrônicas ou nos formatos com capa


sábado, 10 de março de 2018

Edições Prévias (Previous Version)

The Secret of Clarice Lispector 

(English Edition – Previous Version)

O Segredo de Clarice Lispector 

(Versão Prévia)

Vertygo – O Suicídio de Lukas 

(Edição Prévia)

Vertygo – The Suicide of Lukas 

(English Edition – Previous Version)


quinta-feira, 8 de março de 2018

On Twitter

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

The Secret of Clarice Lispector.

The Secret of Clarice Lispector. The truth no one has ever told.

Why was the most important Brazilian writer in the 20th century, considered the greatest Jewish writer since Franz Kafka, was known as 'The Great Witch of Brazilian Literature?' What sort of bond did Clarice Lispector establish with the magical universe of sorcery? Why her close friend Otto Lara Resende always warned her writer to be careful with her texts, saying they were not only literature but witchcraft? 'Number 7 was my secret, kabbalistic number.' There are 7 keys with which all the songs that exists or that will exist' can be composed. There is a recurrence of 'theosophical additions', numbers that can be summed up to reveal an amount of magic. I assure you that 1978 will be the real kabbalistic year. Therefore, I commanded to polish the instants of time, to shine the stars, to wash the moon with milk, and the sun with liquid gold. Every year, I start to live another life.'
Despite having died weeks before starting that so called kabbalistic year, those ritualistic habits and her obsessions for numbers can supposedly clarify why Clarice has promptly accepted the invitation of warlock Simon to participate as a lecturer in the First World Congress of Witchcraft.

>>Read more on www.amazon.com

The Secret Map of Vertygo Island (O Mapa Secreto da Ilha de Vertygo)

The Secret of Clarice Lispector. The truth no one has ever told (By Marcus Deminco)

Rio de Janeiro – December, 9th 1977 10:30 a.m.  It was only a day before her fifty-seventh birthday, when, due to cancer, the prodigious Brazilian writer Clarice Lispector departed from this transitory universe of humans to perpetuate her existence through some precious writings which overflowed her complex feminine soul. The numerous connoisseurs of her pulsing nature and her intrepid-sensitive force became orphans of her epiphanic words and literary world. Although enriched by an immortal legacy that would remain in tales, chronicles and novels, all of her work would be unfinished for sharing and even her posthumous works and her unpublished stories faded along with Clarice.
Meanwhile, long after her death, numerous controversies concerning her private life came to public notice when the Clarice Lispector Archive was inaugurated in the Museum of Brazilian Literature at the House of Rui Barbosa Foundation in September 1987, exhibiting a collection of personal documents of the writer donated by her son, Paulo Gurgel Valente. After a closer look at some postcards, letters exchanged between friends/ relatives, snippets of literary writings, and so many written papers about events, it was clear she was the one who signed a column under the pseudonym Helen Palmer in the Correio da Manhã newspaper published between August 1959 and February 1961.
Surely, that was not one her biggest secrets. In fact, it was not even a fact to hide. Many of her friends, especially the closest ones, knew that Clarice chose Tereza Quadros as a  pen name to sign a column writer Ruber Braga invited her to write, from May to October 1952, in a tabloid called Comício. They were also aware that, as of April 1960, she was the hand behind the column entitled ‘Just for Women’, published in Diário da Noite, signed by the model and actress Ilka Soares. Undoubtedly, Clarice kept something far beyond her introspective lyricism, something that would exhaust the interpretation of her hermetic texts and the revelation of her aliases. It was a mystery that challenged logic, a puzzle that persisted out of her oblique melancholy eyes.
It is believed that she had only accepted to participate in the First World Congress of Witchcraft, held in Bogota, Colombia, in August 1975, because she was already fully convinced that the cyclical capacity for renewal came from a supreme force, far more intricate than the religious conflicts she felt. Perhaps that was true. Perhaps that was not. Maybe more about that inexplicable feeling could have been noted if, under the guise of a sudden malaise, she had not given up reading the text about magic she had written for her presentation instead of having written a different speech.
In fact, Clarice wanted to be buried in St. John the Baptist Cemetery. In deference to her Jewish customs concerning the Shabbat, she could only be buried on Sunday. It is known that her body rests in tomb #123, row G, in Israeli Communal Cemetery, located in Caju, a neighborhood in the Northern Zone of Rio de Janeiro. Coincidentally, it is located next to the place where her character Macabéa used to spent her spare time. However, like all the extraordinary people who make their lives a journey, it is assumed that Clarice had surely taken a fraction of irrevocable lessons with herself. Perhaps the most obscure cases, such as the most secretive episodes and unfinished writings, were left behind, shrouded in shadows, waiting to be unraveled – for instance, it is unknown the real reason she had created those aliases.
Clarice has an unfathomable existence, and her interests were the antagonistic as they were voracious: faith and skepticism walked alongside fear and anguish of living. She felt happy not to cry in the face of sadness, and claimed that crying gave her comfort. She was indifferent, but humanist. Tedious and intriguing; reserved and intimate; foreign and native; Jewish and Christian; lesbian and housewife; man and mother; witch and saint. Ukrainian, Brazilian, Northeasterner and Carioca. Authorities asserted that she was right-wing, others claimed she was a communist. She spoke seven languages, but her nationality was always questioned. At birth, she was registered Chaya Pinkhasovna, and died Clarice Lispector.
After all, why was the most studied Brazilian writer in the world known as The Great Witch of Brazilian Literature? What kind of bond Clarice have possibly established with the universe of witchcraft? One of her closest friends, journalist and writer Otto Lara Resende always warned readers: ‘You should be careful with Clarice. This is not just literature, it’s witchcraft.’
Certainly, even today, many of her readers are completely unaware of her close involvement with occult practices, either ignore her deep interest in Kabbalistic magic. Her participation in the Witchcraft Convention could be just another rumor among many others surrounding the fanciful imagery of her name.
In spite of this rumors, it is noted that Clarice had different mystical habits, mainly linked to her beliefs in the power of certain numbers. For her, numbers 5 (five), 7 (seven) and 13 (thirteen) represented a magic symbolism, a kind of karmic identity. In her creative process was coffee, cigarettes and a typewriter in her lap, and she always marked 7 (seven) spaces before each opening paragraph. On several occasions she did not hesitate to ask her friend Olga Borelli to finish the last few paragraphs of her texts judiciously marked on page number 13 (thirteen).
Once, she wrote: ‘Seven is the number of men. The deepest wound heals in seven days if the destroyer is not around [...] Number seven was my secret, Kabbalistic number. There are seven notes with which you can compose all the songs that exist and that will exist.’ There is a recurrence of ‘theosophical additions,’ numbers that can be summed up to reveal a magic amount. The year 1978, for example, has a sum that results equal to seven: 1 + 9 + 7+ 8 = 25, and 2 + 5 = 7. ‘I assure you that 1978 will be the one true Kabbalistic year. Therefore, I commanded to polish the instants of time, to shine the stars, to wash the moon with milk, and the sun with liquid gold. Every year, I start to live another life.’
Even though she died only few weeks before the beginning of that Kabbalist year, all these ritualistic customs undoubtedly clarified the real reason she had accepted with care and enthusiasm the unexpected invitation from the Colombian writer and occultist Sorcerer Simon to participate as a guest in the First World Congress of Witchcraft he was organizing.

December 14th, 1958.
8:15 p.m.

Satin night dress, messy hair, blurred make-up. A tense body facing the typewriter. Restless breathing, furrowed brow, stiff neck, and a turgid look trying to sidestep the letters, numbers, and signs marked on dirty keys, cleared by the low yellowish light of a small porcelain lamp placed on a rustic dresser with four closed drawers.
Dilated pupils, rapid heart rate, increased frantic blood pressure and adrenal glands secreting copious quantities of adrenaline. Muscles of legs contracted, minimisation of blood flow in the intestines, feet tingling on the cold floor, a line of pain in the abdomen. One trembling hand repeatedly taking a cigarette from the ashtray and bringing it to the edges of her lips moistened with a non-expensive wine.
It was not the first time Helen had that unpleasant feeling of mediocrity, and even having predicted that after a lasting feeling inertia, everything would return to normal, a fearful thinking coerced her that time was going to be different. She felt unable, incapable of exceeding the limit of her embarrassment. She had the disgusted impression of having turned into a perpetual prisoner of her own story. She saw herself completely tied when that damn thirteenth chapter got her stuck as if some obstacle or some future negative motivation in that plot was preventing her to keep on writing.
Exasperated, she took a sip from the bottleneck and a drag on a cigarette. Behind the cloud of smoke continually exhaled, she glimpsed the blank page, waiting for the next words that had disappeared with her quiet. Nothing seemed to make sense. In her disturbed mind, now roamed whirls of disconnected thoughts. Her ideas became inaccurate, her intentions and faculties were as disorganized as that huge mess accumulated in pieces and piles of papers on that filthy floor of the room in a modest pension where she had chosen to hide.
With the mind exhausted, emotions disturbed and nerves touched, she felt a dreadful will to cry, but hold the tears pressing the jaw with the teeth. Magnified and inert, she wanted scream her agony until her throat exploded out. Instead, she swallowed the anger, and kept quiet. Anguish suffocated her thoracic cavity walls, making it difficult for air to go into her lungs. This gave her an undefined grief, an unknown anxiety for something which fatally was about to happen and there was nothing she could do to stop.
That feisty and tormenting angry was spreading in a turbulent challenge to hold back the impulse to throw the typewriter out of the window. That made her express a passive feeling. She wielded a pencil sharpener blade, and even though it was unbending, she gave up that almost uncontrollable urge to nail it in her chest. She wanted to mutilate herself, to punish herself, and desperately needed to take out this wrath to express her anger.
Swept away by an indistinguishable fury, she collected the fingers and thought of punching it in one of her eyes, but she soon could control herself. She thought of scratching the side of her face with her nails, tried to pull her hair, to slap and bite herself. Then, sunk in ambiguous impulses and taken by wild drives, she was not able to curb her right hand holding a glowing tip cigarette upside down, moved steadily toward her legs and slowly rubbed that red ember on her left knee, unburdening all her wrath.
Little by little, the shoulder joints relaxed the arms resting on the chair, while all the frenzy gradually decreased: the brain and the forehead slowly cooled, and the ears relaxed in snaps of decompression. The pain became a kind of subterfuge disguised as a relief, a medicine a greater inner disease. It was a warning that yet completely disoriented, her flesh was still acting to external stimuli.
Being happy or being sad was indifferent. Having the publishers rejected her books and kept them on shelves for years did not affect her to any less discouragement. There was an infinite reason greater than a cheap wish for being appreciated. She did not write for ideology, nor to be judged by the punitive perspectives of literary critics. Nor to ogle over varied temptations of fame or a vanity. She wrote for urgency, for an almost vital necessity to stay lucid. She did it to scare away the bitterness, to exorcise old demons. The letters worked as understandable words, and become the only remaining sobriety of introspection.
Without a correct perception of time afflicted by sleepless nights, Clarice no longer remembered of having contracted that condition to a phobia. Aversion was spontaneous, and panic attacks were hideous just to imagine herself wandering in the streets full of people. She had a grudge to fairs, trembling and perspiring cold just thinking about that trite commotion of downtown area. She did not use to go to the masses, and never, under any circumstances, was near beaches for she strongly disliked the sea. The waves brought of a past so nefarious that she would rather erase it from memory.
Doubtful and without any prospect of improvement, she chose to be confined and started living alone, hidden from everyone and everything. She did not have any friends, did not visit relatives, and did not got involved in any love affairs - possibly because of her animosity or of obedience to her physical instincts. Apart from the characters she created, anyone else knew about her daily life. In a barren experience on the continuous solitary act of writing was found a way to beat her biggest traumas.
She was not rich or lived in poverty either, her financial situation was reasonable financial. The good economic conditions of his foster father allowed her to live some whims. She could travel the world, meet different civilizations, connect with interesting and well-educated people. However, she knew that nothing and nobody could fill that vast emptiness, that deep displeasure. Wherever she goes, her mind was not there. She had a life inside herself, and rather enjoyed reality of her lies than watched the made-up truths of her transitional shelters.
Out of social interaction, she sporadically sought for refuge. Most of the time after having finished a book, she moved to a different place to avoid the risk of being mocked or found. For so, anonymously cloistered, she stayed in hostels, hostels and pensions, hotels, without anyone - not even Jovino Andrade - suspect that behind that indistinct figure holed up in different streets and neighborhoods in the capital of Bahia was, in fact, a secret identity of a bizarre writer.
A few months later, however, all that isolated eccentricity made her turn into a silent hostage of her own creations. Her monotony blended with the plots of her writings, the inviting adventures of intrigues seduced her overshadowed routine, and her unpleasant impressions confused with the intimate sensation with which she described to designed her characters.
Thus, as much as her unusual behavior challenged normality, and as much as her nomad action challenged the pragmatic governing sense, there was - at least for her - a coherent meaning to act that way: bordering insanity and dueling against all logic.


Read More on www.amazon.com

sábado, 13 de janeiro de 2018

Why read Paulo Coelho? - By Marcus Deminco

You don't have to search for long on the internet to find the most varied criticism to the prodigious writer Paulo Coelho. The most-read author in Brazil, one of the ten living writers in the world, who earned over than seventy awards, was translated to seventy-six languages and is read in one hundred sixty country, is he a real big mess as some spiteful scholars claim?
Just when I finished my first book, an autobiography, still drunk with all those words and letters but willing to keep on writing fiction, I was stupidly bewildered to decide to make further studies on aspects related to creative process and literature construction. While pseudo-specialists under the influence of Kafka and Flaubert state that Paulo Coelho was a foolish charlatan, I forged to be the elitist I will never be and read Madame Bovary, The Process and the Metamorphosis. However, what I really wanted was that they let me read the wizard.
While some promising writers (that never were anything but promises) lent me Dante, Shakespeare, Balzac, Dostoevsky and Cervantes, I started questioning my self-alienating blindness: how would be possible that 48 out of 100 best-selling titles in Brazil in the 90s were by national writer and 20 of them belong to the so called dumb wizard? Then, when xenophobic disguised as patriotic scholars said that real literature was Machado de Assis and Guimarães Rosa, I no longer wanted to know if was Dom Casmurro or The Posthumous Memoirs of Bras Cubas which made Machado de Assis a specialist in first person writing or if was the first ellipse in The Devil to Pay in the Backlands a case for grammar or not. I was completely in love with Veronika decides to die.

Suddenly, I began to see through the walls of limitation of wise fools that surrounded me: the more I kept imprisoned by the rules, standards, styles and literary methods, the less I could write. I knew what was break of semantic parallelism, euphemism, onomatopoeia, prosopopoeia, epistrophe, periphrases, inversion, pleonasm...whatever. Almost all these bullshit that the morons think to be what it takes to be a genius.
But, was when a professor told me in a tone of joke that Paulo Coelho writes for needy, depressive young adults who believe in elves and who think about suicide. I immediately replied:'THEN I DON'T WANT MAKE LITERATURE, I WANT TO MAKE PAULO COELHO!' So, unlike Virginia Woolf, Paulo Coelho writes not only with his fingers or as a whole person; he writes with his soul, not being subservient to grammar rules that limits the most overbearing authors. And you know what would be worse than a flopped author writing a book only to externalize their contained disability? TWO FRUSTRATED AUTHORS WITH THE SAME PURPOSE:

1)           The messenger without a message named DIOGO MAINARDI, who cannot enjoy the verve great authors can have, wrote LULA É MINHA ANTA (his Magnum Opus); gathering all his repetitive and dull articles about the man he wanted to be.

2)           And following the same steps of mediocrity, the illustrious unknown, Janilto Andrade wrote the unpopular best-seller WHY NOT READ PAULO COELHO in which he defines the wizard as an exciting vulgar looking for being qualified as sophisticated art.
But as John Steinbeck would say: 'Of all animals in God’s creation .... Man is the only one who drinks without being thirsty ...eats without being hungry and talks without having something to say.'

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

Oração para Nova Semana – por Marcus Deminco


QUE eu mantenha o meu otimismo vivo, mesmo quando todos já tiverem desistido de acreditar. QUE eu não me perca do destino, por mais caminhos desvirtuados que eu tenha que trilhar. QUE a minha fé permanece acima de todas as minhas promessas solidificadas no desquerer do acaso. QUE eu possa aprender tanto com os meus erros, a ponto de evitar que outros passem pelos mesmos sofrimentos. QUE ao sentir as dores alheias eu seja capaz de dilui-las em aflições pelo simples desejo de querer-lhes bem. QUE eu compreenda que nem todas as verdades cabem em todos os ouvidos. QUE diante de todas as razões para abandonar uma pessoa, eu encontre apenas um único motivo para não deixá-la. QUE eu acredite em meus maiores sonhos, mesmo quando todos disserem que será impossível. QUE eu consiga sempre enxergar a luz, nas noites de maiores escuridão. QUE em todo tempo, e diante de qualquer situação, a minha esperança seja superior as minhas maiores desilusões. QUE a minha crença supere todas as dúvidas intermitentes da vida. QUE eu compreenda que nem tudo precisa ser explicado, algumas coisas apenas no silêncio de senti-las ultrapassam qualquer entendimento. QUE a minha alegria seja maior que apenas para mim, e que o meu desejo de ser feliz seja infinitamente maior do que qualquer receio de me machucar novamente. MAS, que acima de tudo, somente a tua vontade prevaleça sobre todos os meus anseios. Que assim seja. AMÉM!
Oração para Nova Semana – por Marcus Deminco

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Marcus Deminco: O Erudito Rufianismo do Mercado Editorial Brasileiro

Marcus Deminco: O Erudito Rufianismo do Mercado Editorial Brasileiro

Marcus Deminco – Novo Escritor Brasileiro (Blog Oficial ©): O Erudito Rufianismo do Mercado Editorial Brasileiro

Marcus Deminco – O Erudito Rufianismo do Mercado Editorial Brasileiro

O Erudito Rufianismo do Mercado Editorial Brasileiro

        Se existe uma coisa que aprendi bem na literatura alemã de Goethe é que um homem de bom senso jamais comete uma loucura de pouca importância. E como já dizia Luther King: “A covardia coloca a questão: É Seguro? O comodismo coloca a questão: É Popular? A etiqueta coloca a questão: É Elegante? Mas a consciência coloca a questão: É Correto? E chega a uma altura em que temos de tomar uma posição que não é segura, não é elegante, não é popular, mas o temos de fazer porque a nossa consciência nos diz que é essa a Atitude Correta”. E seguindo os brados da minha própria consciência, convicto de que o lançamento da 2ª Edição do livro Eu & Meu Amigo DDA será atrasado até meados do ano que vem, mas, sobretudo, em respeito ao desrespeito que toda essa gente posada de besta vem destratando todos os poucos que ainda amam a literatura nacional resolvi disponibilizar – antes mesmo do lançamento do livro – este capítulo.
E por que não me calei diante de toda absurdidade que presenciei? É porque nutro imenso desrespeito pelos omissos. Pois eu sempre preferi carregar todo peso das minhas atitudes, que andar com o vazio passivo daqueles que nunca se atrevem. Prefiro correr o risco de desagradar qualquer pessoa com a minha sinceridade, que a subtração do meu pensamento pela conveniência. Prefiro a crítica sobre o que digo, que todo o silêncio covarde que adormece na isenção contida daqueles que se abstém do mundo. Enfim, eu prefiro jogar o jogo da vida, que assisti-la de longe, escondido nas sombras das arquibancadas.  Então vamos lá...
Com três livros de estilos relativamente distintos, imaginei que possuía um conteúdo bibliográfico razoável para submetê-lo a avaliação de qualquer conselho editorial – sem o menor tipo de constrangimento. Contudo, se eu já gozasse do mínimo conhecimento sobre toda libertinagem que rodeava o prostíbulo mercado editorial brasileiro, certamente, o meu otimismo seria muito mais malicioso do que cândido.  Logo – acreditando somente por desconhecer no que não deveria acreditar – em julho de 2008, antes mesmo de ingressar no curso de psicologia, com intento de apresentar alguma formalidade que adornasse o meu nome enquanto autor, enquanto proporcionava as mínimas condições necessárias para que os meus originais fossem recebidos com o devido respeito, e apreciados com certa distinção e valimento, decidi comigo mesmo que, passaria a exercer o papel de meu próprio agente literário.
Imediatamente, criei uma conta de e-mail, (2xliteratura@gmail.com), registrada sob o pseudônimo de Jota Andrade, com o qual passei a intermediar os contatos entre as editoras, e o escritor Marcus Deminco. Desorganizado, sem estabelecer previamente qualquer tipo de seleção quanto aos gêneros literários comercializados por cada editora, isento dos procedimentos normativos que regem as boas praticas para utilização do E-mail Marketing, elaborei um mailing com todos os endereços eletrônicos que consegui agrupar, das diferentes editoras nacionais disponíveis na internet.
Dos diversos e-mails encaminhados – bastou apenas uma única resposta – entre as poucas mensagens retornadas, para despertar ligeiro em um sobressalto de regozijo, o sono leve do meu desmedido entusiasmo. Primeiro, porque não se tratava de uma resposta automática, tampouco apresentava qualquer tipo antecipado de empecilho, como alguns e-mails advertindo não estar analisando originais por determinado período. Muito pelo contrário, afirmava, inclusive, que eu – no papel de Jota Andrade – poderia enviar o prefácio da obra. Além do mais, não era um retorno proveniente de uma editora qualquer. Tratava-se de uma resposta do maior conglomerado editorial da América Latina, e aquela tal de Luciana que assinava o e-mail, era simplesmente a renomada Sra. Luciana Villas-Boas, diretora do departamento editorial do Grupo Record, considerada uma das personalidades mais influentes do mercado editorial brasileiro.
Mas, como em mim os devaneios haviam corrompido a realidade desde criança, somente quando a minha alegria começasse a ser usurpada, pouco a pouco, eu passaria a compreender que aquilo não se tratava da mais esplendorosa oportunidade de me tornar um escritor, como eu queria acreditar que fosse. Nem mesmo era a chance que tanto esperava para realizar algum dos meus incontáveis projetos guardados durante tanto tempo. De forma intencional ou não, seria uma espécie de sequestro da minha felicidade, enquanto eu mesmo me ludibriava que estava sendo feliz. Talvez por tudo que havia feito de errado, ou por tudo que deixei de ter sido por não ter feito o que seria correto, tenha me custado o peso de longos anos perdidos, nas intermitentes culpas das minhas deduções sobre o que não fui senão hipóteses. Porque, quando passei a ter consciência da seriedade que o mundo me exigiria, já não sabia exatamente o que era seriedade, muito menos se aquilo que eu tinha como consciência, seria proporcionalmente igual ao dos outros.
Tenho consciência de que não posso regressar ao passado para corrigir tantos erros pendentes, mas se também não sou dono nem mesmo do meu presente, resta-me somente essa estranha mania de me iludir tanto até acreditar que um dia – de um súbito repente inesperado – um inusitado chamado para realizar algo grandioso, ou um convite inopinado para fazer alguma coisa imensamente mirabolante, vai me proporcionar uma realização tão excepcional que – através desse feito – eu conseguirei reparar boa parte do prejuízo que o meu desinteresse – mesmo sem saber exatamente no que deveria ser interessado – havia me custado.
Enlevado por sonhos tão coloridos quanto as capas dos meus livros antevistas na minha imaginação com tamanha nitidez que eu poderia ser capaz de tocá-las através de qualquer outro objeto tateado pelas minhas mãos sedentas por trazer a vida o que havia fantasiado de mais lindo. E com o encantamento deslumbrado de uma criança que vai ao parque pela primeira vez na vida, eu não entrava mais nas livrarias, eu simplesmente flutuava sobre as prateleiras tomadas de histórias encapadas de papéis. Ficava entrando e saindo das diferentes seções, como quem brincava de esconde-esconde entre os contos e seus personagens desconhecidos como se fossemos amigos de infância. E quando cansava – sem deixar ninguém perceber – eu inalava o prazenteiro cheiro dos livros novos, e os folheava em direção a minha face, fazendo uma espécie de vento frio, entorpecente e mágico, permitindo que todas as palavras entrassem pela minha boca, e eu as degustava sem mais precisar lê-los para conhecê-los. Naquele instante, eu os sentia inteiramente dentro de mim.
E por um tempo indistinto, passou a ser assim: enquanto eu fantasiava com as minhas obras publicadas, a afamada Luciana Villas-Boas passava a ludibriar o meu desejo. Demonstrando um interesse dúbio, e meticuloso demais para a minha cegueira de sonhador decodificar imediatamente. Através de constantes e-mails trocados comigo – no papel do meu próprio agente – seu interesse na obtenção de dados que validassem a publicação daquele tipo de obra (em gênero e temática) servia tanto para aferição de suas conveniências pessoais, como para alimentar ainda mais a minha ilusão já tão nutrida. E sem consciência da sua prática ardilosa, ela facilmente seduzia a minha inconsciência tão alheada pela felicidade convicta de que, todos os seus interesses seriam referentes apenas aos meus livros. Principalmente, em relação à 1ª edição do livro Eu & meu Amigo DDA.
Não posso asseverar de que a sua maldade era racional, pois acredito que quem desfrute de racionalidade não se logre através da atávica conduta ruindade. Pois, acho que até mesmo, a mais ínfima racionalidade humana, possua alguma dose de percepção sobre o outro. Dessa maneira, ou ela algozava naturalmente, e o seu sadismo seria doloso, ou por pura insensibilidade, demonstrando um imenso talento para ser perversa, ela praticava uma espécie de sadismo culposo. Mesmo desconhecendo a existência do sadista despretensioso, isso pouco importa, pois, independente do seu propósito, ou da ausência dele, a intensidade da minha dor seria a mesma.
Entretanto, não posso assegurar que a sua perversidade era intencionalmente criminosa. Afinal, existem tantas maneiras legais de ser desonesto, que nem todos escolhem praticar o crime ilegal. E devemos ter ainda em conta que, os estúpidos são perigosos e funestos, principalmente porque as pessoas razoáveis acham difícil imaginar e entender um comportamento estúpido. Uma pessoa inteligente sabe que é inteligente. O bandido tem consciência de ser um bandido. O crédulo está penosamente ciente da sua própria credulidade. O estúpido, ao contrário de todos estes personagens, não sabe que é estúpido. Isso contribui decisivamente para dar maior força, incidência e eficácia à sua ação devastadora. O estúpido não é inibido por aquele sentimento a que os anglo-saxónicos chamam Self-Consciousness. Com um sorriso nos lábios, como se fizesse a coisa mais natural do mundo, o estúpido aparecerá inopinadamente para lhe dar cabo dos seus planos, destruir a sua paz, complicar-lhe a vida e o trabalho, fazer-lhe perder dinheiro, tempo, bom humor, apetite e produtividade – e tudo isto sem malícia, sem remorsos e sem razão. ESTUPIDAMENTE!
Gostaria, inclusive, de ressaltar que – as opiniões expressas aqui não refletem necessariamente a realidade – e embora também não retratem a inverdade, pois a realidade tenha se revelado ainda pior, não tenho pretensão, interesse, nem paciência alguma para atestar que, os fatos aqui expostos estão em conformidade com a realidade dos fatos aqui não expostos. Desse modo, reitero que todas as considerações descritas neste capítulo reproduzem – a partir de tudo que vivenciei – somente uma síntese daquilo que tive como a minha perspectiva da verdade.
Devo salientar, no entanto, que a omissão de alguns episódios verídicos durante a minha narrativa, não demonstra, absolutamente, nenhuma predileção pela inverossimilhança, tampouco pela covardia ou qualquer sinônimo de precaução. Pois a sátira também sabe ser discreta, para contar verdades. Afinal, sem a ambiguidade permissível da ironia, como poderíamos acusar, contestar, ofender e debochar – de maneira tão simpática – algo que testemunhamos, e com o qual discordamos completamente? Ou como enfrentaríamos – sem outras armas que não as palavras trocistas – aquelas atitudes construídas propositalmente para nos desestabilizar, com a cínica elegância de quem finge supor aquilo que se tem como axioma?
Todavia, a prevalência da verdade é que, depois de trocarmos aproximadamente 18 e-mails (de 21 de julho de 2008 a 19 de janeiro de 2009), após fornecer-lhe informações que justificavam o investimento naquele perfil de obra, de contextualizá-la sobre os aspectos positivos em relação a comercialização de livros abordando o Transtorno do Déficit de Atenção/Hiperatividade (TDA/H), de mencionar a quantidade de exemplares vendidos por outros livros, em gêneros diferentes, mas sobre o mesmo assunto. Dados esses, apresentados, inclusive, como respostas as astuciosas indagações feitas por ela.
Posteriormente, conhecendo toda viabilidade para publicação do meu livro Eu & meu Amigo DDA – conforme foi apresentado em números e projeções: os motivos, as justificativas, o público-alvo etc. Em Abril de 2010, coincidentemente intencional, ou por pura casualidade premeditada, através da Verus Editora (um dos 14 ou 15 selos do Grupo Editorial Record) é publicado “ocasionalmente” um livro com a mesma temática e gênero que o meu: uma autobiografia traduzida (conforme eles preferem) intitulada, Minha Mãe Tem um Filho Hiperativo – A Vida e a Mente de uma Pessoa com Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade.
Eu até acredito em acaso, destino, sorte, simultaneidade, Sincronicidade, tarô, duendes etc. O problema é que algumas coincidências coincidem tanto, a ponto da própria casualidade ludibriar a lógica enquanto a dúvida pergunta para certeza: foi tudo mesmo tão casualmente? E independente do fato de acreditar que ela tenha agido com estratagema e má-fé, ao asseverarem na sinopse que o livro “... traz uma abordagem singular e reveladora do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, pois é o único livro narrado por um jovem portador do distúrbio.” – eles ignoram o meu pioneirismo, desconsideram o meu trabalho, e rebaixam a validade da minha obra.
Entretanto, como normalmente, não sou juiz nem mesmo do meu juízo. Tanto pela presença instável dele na suprema corte da minha consciência, quanto pela minha profunda falta de conhecimento em relação aos princípios básicos do direito – deixarei disponível – no final deste capítulo um link com todos os e-mails trocados entre o meu agente literário, Jota Andrade (também conhecido como eu) e a Sra. Luciana Villas-Boas. Dessa maneira, você mesmo poderá formular suas próprias conclusões. No entanto, com bem mais consistência, lendo o desfecho deste capítulo.
Sendo assim, antes de concluí-lo, com intento de apresentar um breve esclarecimento ao leitor sobre as condições do mercado editorial brasileiro, destaco que ao decurso dos anos 80, no gênero literário de ficção, dos 100 títulos listados entre os 10 mais vendidos no Brasil, apenas 26 livros pertenciam a 13 autores nacionais, enquanto os outros 74 títulos eram de autores estrangeiros. Na década seguinte (entre 1990 e 1999) dos 10 títulos de ficção mais vendidos entre os 100 títulos resultantes, 48 eram de autores nacionais. No entanto, apesar do aparente crescimento, somente as obras do autor Paulo Coelho, representavam 20 desses 48 títulos. O que, proporcionalmente, apresentou certa estagnação no mercado editorial nacional, com um insignificante acréscimo de apenas 2 obras. Contudo, foi durante o funesto mês de abril de 2010 que, os escritores nacionais foram, subitamente, abduzidos. Dos 100 títulos presentes na mesma listagem concernente ao gênero de ficção, 10 entre os 10 livros mais vendidos no Brasil eram de autores estrangeiros.
Mas, como diante de tudo aquilo em que a ausência de lógica se revela incoerente demais, eu costumo cogitar o impossível, indaguei-me azoinado: será que teriam morrido tantos autores nacionais que justificasse essa nefasta estatística? E supondo que, todos eles tivessem, repentinamente, morridos de alguma maneira surreal – não teria nascido nem mais um único autor nacional de ficção? Intrigado, recordo-me casualmente, das sabias palavras de Fernando Sabino:
Matar não é tão grave como impedir que alguém nasça, tirar a sua única oportunidade de ser. O aborto é o mais horrendo e abjeto dos crimes. Nada mais terrível do que não ter nascido”. Suscitam-se a partir daí as primeiras dúvidas: “Afinal, quem estaria abortando todos esses autores nacionais? Quantos escritores desistiram de seguir a literatura por terem sido privados, antes mesmo de suas histórias nascerem?” – Logo mais, mencionarei o que provavelmente aconteceu, e quem seriam esses “supostos” aborteiros.
Vale relembrar que, durante esse longo período de americanização, mais precisamente no ano de 2006 – após figurar por 200 semanas na lista dos mais vendidos do New York Times – entre os tantos clássicos estrangeiros que alimentam o nosso esfomeado aculturamento, O Segredo, da ilustre desconhecida, Rhonda Byrne, chegou ao Brasil como um dos mais promitentes livros milagreiros do ano. Não muito diferente de todo conteúdo engabelador que formam os livros de autoajuda, e inspirado na lei da atração, ensina como exercitar pensamentos positivos para elevar autoestima, conquistar riquezas, resolver problemas de saúde, alcançar a felicidade, e todas as outras coisas almejadas por todos os mortais. Vendeu mais de 19 milhões de exemplares em todo o mundo, e aproximadamente, 2 milhões somente aqui no Brasil.
Não sei quantos leitores nacionais conseguiram enriquecer, melhoraram suas autoestimas, atingiram plenas felicidades, e mantiveram suas vidas em perfeita harmonia e saúde, em virtude dos ensinamentos desse livro. Eu, particularmente, acredito muito mais na eficiência da consulta aos orixás através do jogo de búzios de um bom pai de santo, ou naquilo que revelam as cartas do tarô jogadas por uma cartomante experiente, do que todas as receitas escritas em livros de autoajuda com fórmulas prontas para fazer todo tipo de gente feliz como se fossem receitas de bolo, e fazendo de bobo todos aqueles que pensam que serão felizes, seguindo os ingredientes dos bolos.
Confesso que jamais compreendi a serventia da Biblioteca Nacional (BN), da Câmara Brasileira do Livro (CBL), muito menos a utilidade da Academia Brasileira de Letras (ABL) e dos seus fantasmas imortais, caricaturados de super-heróis aposentados com suas mortalhas bordadas de ouro, chapéu de veludo preto com plumas brancas, e suas espadas enferrujadas desajeitadas nas cinturas. No entanto, em Abril de 2011, na mais explícita demonstração de caduquice institucionalizada, e da decadência da literatura nacional, os ociosos imortais da ABL, na ausência de escritores, sobriedade, respeito e sem nada de mais útil para fazer, resolveram – como quem decide algo desponderado de critérios – simplesmente, homenagear o jogador Ronaldinho Gaúcho com a máxima honraria da literatura brasileira, a medalha Machado de Assis.
Entretanto, afora o estapafúrdio absurdo dessa atitude, conforme já havia dito anteriormente: diante de tudo aquilo em que a ausência de sensatez se mostra desconexa demais, eu costumo ponderar o extraordinário. Seguindo assim, em minhas divagações mais desvairados, passei então a cogitar que no final do mesmo ano, em reciprocidade ao gesto contraditório da ABL, os mortais da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) também poderiam querer me prestigiar com o troféu Rei da Bola, como melhor jogador da temporada.
Gostaria de aproveitar, enquanto o meu futuro como escritor ainda é tão incerto quanto o de Ronaldinho Gaúcho, para deixar expresso e registrado aqui, que, quando eu me tornar um renomado autor, de maneira alguma, em nenhum momento, ainda que eleito, convidado, convocado, intimado, forçado, ou por qualquer outra forma que vague além da vontade que não tenho, eu jamais aceitarei participar da Academia Brasileira de Letras (ABL). Não pretendo vestir aquele abadá ridículo, sentar naquelas velhas cadeiras empoeiradas, compartilhar o chá das quintas-feiras com as múmias discutindo necrologias, e viver na imortalidade de quem ainda está vivo, fazendo parte de uma entidade que deveria exercer alguma relevância social, mas que não faz nada além de assombrar aqueles que não sabem identificar o seu verdadeiro estado semiânime. Pois se estão vivos, são igualmente passivos como os mortos. E estando mortos, exercem a mesma importância de suas atribuições fantasmagórica.
Então, nesse instante você talvez deva estar se questionando: quem eram os aborteiros dos autores nacionais de ficção? O que teria a então senhora Luciana Villas-Boas em relação a tudo isso? Qual o livro preferido do Ronaldinho Gaúcho’? Em confluência com todo esse retrocesso, também começarei pelo final: não faço a menor ideia quanto ao livro preferido do Ronaldinho Gaúcho, pois na solenidade, quando perguntado sobre sua obra preferida, ele disse em alto e bom som que “não tinha um livro preferido, e nem possuía o hábito da leitura”. Seguidamente é importante destacar que a Editora Record, no período em que Luciana Villas-Boas era diretora editorial do Grupo, enquanto publicavam cerca de 450 títulos por ano, em 12 anos, lançaram somente 2 originais, dos inúmeros que são enviados pelo correio. 
Quanto aos abortados, um passarinho mudo, certa noite pousou no monitor do meu computador e me contou que eles teriam sido vítimas de uma chacina praticada pelos interesses mesquinhos de uma quadrilha formada por 4 “grandes” veículos de comunicação: Veja, Folha, Globo e Estadão, e os espúrios donos de uma editora desprovidos de comprometimentos morais. Dessa forma, a revista e os jornais passaram a manipular as listas dos livros mais vendidos, em reciprocidade, o rufianismo editorial investiria valores elevados nos livros medíocres dos seus néscios e marafonas colunistas.
Logo, enquanto a editora priorizava a tradução de livros estrangeiros, mantinha suas permutas pelos jabás na publicação dos livros de qualquer colunista da sua facção, e relançava apenas novas edições de obras nacionais já consagradas, de renomados autores falecidos, os novatos permaneceriam sendo abordados prematuramente. E assim, depois do romance, da fábula, do conto, da crônica, da novela, surgiu a partir de então, um novo estilo literário. Sob forte influência do Maquiavelismo, e inspirado nas técnicas de retórica proposta por Goebbels, através de palavrórios em circunlóquios monotemáticos nascia o Neo-Hebetismo. Teve como precursor, o desenxabido Diogo Mainardi, e como seus principais Servus Pecus: o nauseabundo, Reinaldo Azevedo, e o ascendente de oprobrioso, Rodrigo Constantino.
Não muito diferente ao Index Librorum Prohibitorum, que era a lista dos livros proibidos pela Igreja Católica, durante a Inquisição, a revista veja também vigiava a lista dos mais vendidos para propiciar uma ampla divulgação aos livros da Record, enquanto condenava-se a morte inúmeros autores com suas historias jamais contadas. Garantindo assim, a retroalimentação continua do investimento, e da fomentação na ignorância nacional. e se as coisas já funcionavam de maneira tão indecorosa e despudorada, imaginem a partir de 2003, quando o redator-chefe da revista Veja, Mário Sabino engatou um namoro, que duraria 4 anos, com a diretora editorial da Record, Luciana Villas-Boas. E como bem dizia Luther King: “Nada no mundo é mais perigoso que a ignorância sincera e a estupidez conscienciosa”.
Durante esse longo período de prostituição corporativa, ocorreram trocas de favores tão estrambólicos que desencadearam ressentimentos e revoltas, tanto por parte das editoras concorrentes, como das seções de lançamento de livros de outras publicações. Contudo, através dessa estreita relação entre alcoviteiros e alcovitados, onde os agentes da promiscuidade se revezavam entre ativos e passivos, a seção de Livros de Veja passou a dar tratamento especializado para a Record – e a Record pagava para Veja, o anúncio de seus lançamentos mais relevantes... Bem, se a expressão relevante tiver o mesmo significado do que está definido no dicionário, não sei o que poderia ter sido criado com tamanha relevância por pessoas tão irrelevantes para serem lançados por jabazeiros.
Decerto, todo esse processo de degeneração, justifique em grande parte por que, durante todos os dias da Bienal Internacional do Livro de São Paulo de 2016, permeio a personagens de Game of Thrones, Vampiros, bruxos, e jovens Cosplays fantasiados de animes, Mangás, Comics – não existia ninguém caracterizado de Mônica, Cebolinha, Magali, Cascão, Bidu, ou qualquer outro personagem que fale Oxente, Ave, Eita, Vixe, etc. E justifique também porque todos os anos, no dia 31 de outubro celebramos o Halloween, ao invés de comemorarmos o dia nacional da poesia brasileira, data criada, inclusive, em homenagem ao nascimento do poeta brasileiro mais influente do século XX, Carlos Drummond de Andrade.
Entretanto, antes que nossos netos tenham que estudar a série completa Diários do Vampiro de L. J. Smith para responder as provas de vestibular. Antes que resolvam derrubar a escultura de Machado de Assis no jardim da Academia Brasileira de Letras para erguerem uma maior do Dan Brown, que achem mais patriótico construir uma estátua em ouro da escritora Joanne Rowling, no lugar da de bronze de Carlos Drummond de Andrade na orla de Copacabana, antes que decidam transfigurar o Saci-Pererê em Harry Potter, e antes que passem a plantar Cookies, Donuts e Pretzels nas nossas lavouras de soja, milho e cana-de-açúcar, fico ainda imaginando-me: Qual seria a nossa religião, se porventura a publicação da Bíblia dependesse da apreciação dos mecenas Autoxenofóbicos da Editora Record? Seríamos ateístas, teríamos algum colunista canonizado para orarmos, ou arrumariam um Deus americanizado como eles preferem?
Agora, depois de saber um pouco mais sobre a verdadeira profissão da Sra. em questão, e compreender superficialmente como funciona o comércio no mercado editorial brasileiro, diga-me se a sua ingenuidade permitiria acreditar – assim como eu acreditei por desconhecer as possíveis consequências em desacreditar que – ela teria realmente agido sem a menor intenção, teria sido tudo apenas uma mera coincidência tão premeditada assim, ou será que algum outro funcionário, do mesmo grupo editorial, porém ainda mais dotado de habilidades telepáticas, teria acessado o cérebro dela e extraído todas essas informações via cabo USB?

·   Leia no link todos os meus e-mails trocados com a Sra. Luciana Villas-Boas.

Texto de autoria do escritor Marcus Deminco: 13ª Capítulo referente à 2ª Edição do livro – ainda inédito – Eu & Meu Amigo DDA