domingo, 26 de dezembro de 2010

I've Got You Under My Skin

video

sábado, 25 de dezembro de 2010

A ROUPA NOVA DO REI

"Era uma vez um rei, tão exageradamente amigo de roupas novas, que nelas gastava todo o seu dinheiro. Ele não se preocupava com seus soldados, com o teatro ou com os passeios pela floresta, a não ser para exibir roupas novas. Para cada hora do dia, tinha uma roupa diferente. Em vez de o povo dizer, como de costume, com relação a outro rei: "Ele está em seu gabinete de trabalho", dizia "Ele está no seu quarto de vestir".

A vida era muito divertida na cidade onde ele vivia. Um dia, chegaram hóspedes estrangeiros ao palácio. Entre eles havia dois trapaceiros. Apresentaram-se como tecelões e gabavam-se de fabricar os mais lindos tecidos do mundo. Não só os padrões e as cores eram fora do comum, como, também as fazendas tinham a especialidade de parecerem invisíveis às pessoas destituídas de inteligência, ou àquelas que não estavam aptas para os cargos que ocupavam.

"Essas fazendas devem ser esplêndidas, pensou o rei. Usando-as poderei descobrir quais os homens, no meu reino, que não estão em condições de ocupar seus postos, e poderei substituí-los pelos mais capazes... Ordenarei, então, que fabriquem certa quantidade deste tecido para mim."

Pagou aos dois tecelões uma grande quantia, adiantadamente, para que logo começassem a trabalhar. Eles trouxeram dois teares nos quais fingiram tecer, mas nada havia em suas lançadeiras. Exigiram que lhes fosse dada uma porção da mais cara linha de seda e ouro, que puseram imediatamente em suas bolsas, enquanto fingiam trabalhar nos teares vazios.

– Eu gostaria de saber como vai indo o trabalho dos tecelões, pensou o rei. Entretanto, sentiu-se um pouco embaraçado ao pensar que quem fosse estúpido, ou não tivesse capacidade para ocupar seu posto, não seria capaz de ver o tecido. Ele não tinha propriamente dúvidas a seu respeito, mas achou melhor mandar alguém primeiro, para ver o andamento do trabalho.

Todos na cidade conheciam o maravilhoso poder do tecido e cada qual estava mais ansioso para saber quão estúpido era o seu vizinho.

– Mandarei meu velho ministro observar o trabalho dos tecelões. Ele, melhor do que ninguém poderá ver o tecido, pois é um homem inteligente e que desempenha suas funções com o máximo da perfeição, resolveu o rei.

Assim sendo, mandou o velho ministro ao quarto onde os dois embusteiros simulavam trabalhar nos teares vazios.

– "Deus nos acuda!!!" pensou o velho ministro, abrindo bem os olhos. "Não consigo ver nada!".

Não obstante, teve o cuidado de não declarar isso em voz alta. Os tecelões o convidaram para aproximar-se a fim de verificar se o tecido estava ficando bonito e apontavam para os teares. O pobre homem fixou a vista o mais que pode, mas não conseguiu ver coisa alguma.

– "Céus! – pensou ele. Será possível que eu seja um tolo? Se é assim, ninguém deverá sabê-lo e não direi a quem quer que seja que não vi o tecido."

– O senhor nada disse sobre a fazenda, queixou-se um dos tecelões.

– Oh, é muito bonita. É encantadora!! Respondeu o ministro, olhando através de seus óculos. O padrão é lindo e as cores estão muito bem combinadas. Direi ao rei que me agradou muito.

– Estamos encantados com a sua opinião, responderam os dois ao mesmo tempo e descreveram as cores e o padrão especial da fazenda. O velho ministro prestou muita atenção a tudo o que diziam para poder reproduzi-lo diante do rei.

Os embusteiros pediram mais dinheiro, mais seda e ouro para prosseguir o trabalho. Puseram tudo em suas bolsas. Nem um fiapo foi posto nos teares, e continuaram fingindo que teciam. Algum tempo depois, o rei enviou outro fiel oficial para olhar o andamento do trabalho e saber se ficaria pronto em breve. A mesma coisa lhe aconteceu: olhou, tornou a olhar, mas só via os teares vazios.

– Não é lindo o tecido? Indagaram os tecelões, e deram-lhe as mais variadas explicações sobre o padrão e as cores.

"Eu penso que não sou um tolo, refletiu o homem. Se assim fosse, eu não estaria à altura do cargo que ocupo. Que coisa estranha!!"... Pôs-se então a elogiar as cores e o desenho do tecido e, depois, disse ao rei: "É uma verdadeira maravilha!!"

Todos na cidade não falavam noutra coisa senão nessa esplendida fazenda, de modo que o rei, muito curioso, resolveu vê-la, enquanto ainda estava nos teares. Acompanhado por um grupo de cortesões, entre os quais se achavam os dois que já tinham ido ver o imaginário tecido, foi ele visitar os dois astuciosos impostores. Eles estavam trabalhando mais do que nunca, nos teares vazios.

– É magnífico! Disseram os dois altos funcionários do rei. Veja Majestade, que delicadeza de desenho! Que combinação de cores! Apontavam para os teares vazios com receio de que os outros não estivessem vendo o tecido. O rei, que nada via, horrorizado pensou: "Serei eu um tolo e não estarei em condições de ser rei? Nada pior do que isso poderia acontecer-me!". Então, bem alto, declarou:

– Que beleza! Realmente merece minha aprovação!! Por nada neste mundo ele confessaria que não tinha visto coisa nenhuma. Todos aqueles que o acompanhavam também não conseguiram ver a fazenda, mas exclamaram a uma só voz:

– Deslumbrante!! Magnífico!!

Aconselharam eles ao rei que usasse a nova roupa, feita daquele tecido, por ocasião de um desfile, que se ia realizar daí a alguns dias. O rei concedeu a cada um dos tecelões uma condecoração de cavaleiro, para ser usada na lapela, com o título "cavaleiro tecelão". Na noite que precedeu o desfile, os embusteiros fizeram serão. Queimaram dezesseis velas para que todos vissem o quanto estavam trabalhando, para aprontar a roupa. Fingiram tirar o tecido dos teares, cortaram a roupa no ar, com um par de tesouras enormes e coseram-na com agulhas sem linha. Afinal, disseram:

– Agora, a roupa do rei está pronta. Sua Majestade, acompanhado dos cortesões, veio vestir a nova roupa. Os tecelões fingiam segurar alguma coisa e diziam: "aqui está a calça, aqui está o casaco, e aqui o manto. Estão leves como uma teia de aranha. Pode parecer a alguém que não há nada cobrindo a pessoa, mas aí é que está a beleza da fazenda".

– Sim! Concordaram todos, embora nada estivessem vendo.

– Poderia Vossa Majestade tirar a roupa? – propuseram os embusteiros. Assim poderíamos vestir-lhe a nova, aqui, em frente ao espelho. O rei fez-lhes a vontade e eles fingiram vestir-lhe peça por peça. Sua majestade virava-se para lá e para cá, olhando-se no espelho e vendo sempre a mesma imagem, de seu corpo nu.

– Como lhe assentou bem o novo traje! Que lindas cores! Que bonito desenho! Diziam todos com medo de perderem seus postos se admitissem que não viam nada. O mestre de cerimônias anunciou:

– A carruagem está esperando à porta, para conduzir Sua Majestade, durante o desfile.

– Estou quase pronto, respondeu ele.

Mais uma vez, virou-se em frente ao espelho, numa atitude de quem está mesmo apreciando alguma coisa. Os camareiros que iam segurar a cauda inclinaram-se, como se fossem levantá-la do chão e foram caminhando, com as mãos no ar, sem dar a perceber que não estavam vendo roupa alguma. O rei caminhou à frente da carruagem, durante o desfile. O povo, nas calçadas e nas janelas, não querendo passar por tolo, exclamava:

– Que linda é a nova roupa do rei! Que belo manto! Que perfeição de tecido!

Nenhuma roupa do rei obtivera antes tamanho sucesso! Porém, uma criança que estava entre a multidão, em sua imensa inocência, achou aquilo tudo muito estranho e gritou:

– COITADO!!! ELE ESTÁ COMPLETAMENTE NU!! O REI ESTÁ NU!!

O povo, então, enchendo-se de coragem, começou a gritar:

– ELE ESTÁ NU! ELE ESTÁ NU!

O rei, ao ouvir esses comentários, ficou furioso por estar representando um papel tão ridículo! O desfile, entretanto, devia prosseguir, de modo que se manteve imperturbável e os camareiros continuaram a segurar-lhe a cauda invisível. Depois que tudo terminou, ele voltou ao palácio, de onde envergonhado, nunca mais pretendia sair. Somente depois de muito tempo, com o carinho e afeto demonstrado por seus cortesões e por todo o povo, também envergonhados por se deixarem enganar pelos falsos tecelões, e que clamavam pela volta do rei, é que ele resolveu se mostrar em breve aparições... Mas nunca mais se deixou levar pela vaidade e perdeu para sempre a mania de trocar de roupas a todo o momento.

Quanto aos dois supostos tecelões, desapareceram misteriosamente, levando o dinheiro e os fios de seda e ouro. Mas, depois de algum tempo, chegou a notícia na corte, de que eles haviam tentando fazer o mesmo golpe em outro reino e haviam sido desmascarados, e agora cumpriam uma longa pena na prisão.

De Hans Christian Andersen

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

O SÁBIO DOS SÁBIOS



Conta uma velha lenda que em um determinado reino distante vivia um sábio. Ele era o mais sábio dos sábios e nenhuma questão que lhe fosse levada ficava sem solução. Ele sabia tudo de tudo.

Entretanto, existia nesse mesmo reino um plebeu que invejoso, não se conformava com isso. Ele não aceitava o fato do sábio conseguir decifrar qualquer enigma, fosse ele qual fosse. Então, durante muito tempo, o plebeu ficou arquitetando uma forma de trapacear o sábio.



– Deve existir uma forma de enganar o sábio. Ninguém sabe tudo de tudo – pensava ele inconformado.



Até que um dia ele planejou uma forma, a qual nem mesmo o mais sábio dos sábios teria saída:
Colocarei em minhas mãos, levemente fechadas, um pequeno pássaro vivo e perguntarei ao sábio se o pássaro está vivo ou morto. Se ele responder que está morto, eu abrirei as mãos e o libertarei para o vôo. Mas, se do contrário, ele responder que está vivo, eu o apertarei com os dedos e o matarei.


Diante do sábio ele procedeu como havia planejado, e perguntou-lhe se o pássaro estava vivo ou morto. O sábio fitou afundo os olhos do plebeu e respondeu:

– Meu bom homem, a vida desse pássaro está em suas mãos. Ele é o que você quer que ele seja!

Muitas vezes a resposta esta em nossas mãos... Depende do nosso querer e nosso controle emocional, dos nossos motivos e objetivos porque queremos algo, porque lutamos por determinada coisa... O que tens em tua mão? Está disposto a libertar ou a sufocar a vida fértil que brota de suas mãos?

domingo, 5 de dezembro de 2010

AS 2 CRIANÇAS PATINANDO NO LAGO CONGELADO

Conta certa lenda chinesa que estavam duas crianças patinando em cima de um lago congelado. Era uma tarde nublada e fria e as crianças brincavam sem preocupação. De repente, o gelo se quebrou e uma das crianças caiu na água.

A outra criança vendo que seu amiguinho se afogava debaixo do gelo, pegou uma pedra e começou a golpear com todas as suas forças, conseguindo quebrá-lo e salvar o amigo. Suas mãos estavam feridas e doía muito todo o seu corpo.

Quando os bombeiros chegaram e viram o que havia acontecido, perguntaram ao menino:

- Como você conseguiu fazer isso? É impossível que você tenha quebrado o gelo com essa pedra e suas mãos tão pequenas!

Nesse instante apareceu um ancião e disse:

- Eu sei como ele conseguiu.

Todos olharam para ele aguardando a resposta. O ancião calou por alguns segundos e demonstrando toda sua experiência então respondeu:

- Ele conseguiu apenas porque não havia ninguém por perto para dizer-lhe que ele não seria capaz.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

AINDA TOMAREMOS UM CAFÉ JUNTOS

Um professor, diante de sua classe de filosofia, sem dizer uma palavra, pegou um pote de vidro, grande e vazio, começou a enchê-lo com bolas de golfe. Em seguida, perguntou aos seus alunos se o frasco estava cheio e, imediatamente, todos disseram que sim.

.
O professor, então, pegou uma caixa de bolas de gude e esvaziou-a dentro do pote. As bolas de gude encheram todos os vazios entre as bolas de golfe. O professor voltou a perguntar se o frasco estava cheio e ouviu os alunos dizerem que sim.
Em seguida, pegou uma caixa de areia e esvaziou-a dentro do pote. A areia preencheu todos os espaços vazios que ainda restavam e ele perguntou novamente aos alunos que responderam que agora o pote estava cheio.

.

O professor pegou um copo de café (líquido) e o derramou sobre o pote umedecendo a areia. Os estudantes riam da situação, quando o professor falou:

– Quero que entendam que o pote de vidro representa nossas vidas. As bolas de golfe são os elementos mais importantes, como Deus, família e amigos. São com as quais nossas vidas estariam cheias e repletas de felicidade. As bolas de gude são as outras coisas que importam: trabalho, casa bonita, carro novo etc.

A areia representa todas as pequenas coisas. Mas se tivéssemos colocado a areia em primeiro lugar no frasco não haveria espaço para as bolas de golfe e de gude.
O mesmo ocorre com nossas vidas... Se gastarmos todo nosso tempo e energia com as pequenas coisas, nunca teremos lugar para as coisas realmente importantes.
.

Prestem atenção nas coisas que são primordiais para sua felicidade.
Brinquem com seus filhos, saia para se divertir com a família e com os amigos, dedique um pouco de tempo a vocês mesmos, busquem Deus e creiam Nele, busquem o conhecimento, estudem, pratiquem seu esporte favorito... Sempre haverá tempo para as outras coisas, mas ocupem-se das bolas de golfe em primeiro lugar. O resto é apenas areia.

Um aluno se levantou e perguntou ao professor o que representava o café.
O professor respondeu:

– Que bom que me fizeste esta pergunta, pois o café serve apenas para demonstrar que não importa o quão ocupados estejam nossas vidas, sempre haverá lugar para tomar um café com um amigo.

(Autor Desconhecido)

CALEM A BOCA, NORDESTINOS!


Por José Barbosa Junior


A eleição de Dilma Rousseff trouxe à tona, entre muitas outras coisas, o que há de pior no Brasil em relação aos preconceitos. Sejam eles religiosos, partidários, regionais, foram lançados à luz de maneira violenta, sádica e contraditória.

Já escrevi sobre os preconceitos religiosos em outros textos e a cada dia me envergonho mais do povo que se diz evangélico (do qual faço parte) e dos pilantras profissionais de púlpito, como Silas Malafaia, Renê Terra Nova e outros, que se venderam de forma absurda aos seus candidatos. E que fique bem claro: não os cito por terem apoiado o Serra... outros pastores se venderam vergonhosamente para apoiarem a candidata petista. A luta pelo poder ainda é a maior no meio do baixo-evangelicismo brasileiro.

Mas o que me motivou a escrever este texto foi a celeuma causada na internet, que extrapolou a rede mundial de computadores, pelas declarações da paulista, estudante de Direito, Mayara Petruso, alavancada por uma declaração no twitter: "Nordestino não é gente. Faça um favor a SP, mate um nordestino afogado!".

Infelizmente, Mayara não foi a única. Vários outros “brasileiros” também passaram a agredir os nordestinos, revoltados com o resultado final das eleições, que elegeu a primeira mulher presidentE ou presidentA (sim, fui corrigido por muitos e convencido pelos "amigos" Houaiss e Aurélio) do nosso país.

E fiquei a pensar nas verdades ditas por estes jovens, tão emocionados em suas declarações contra os nordestinos. Eles têm razão!

Os nordestinos devem ficar quietos! Cale a boca, povo do Nordeste!

Que coisas boas vocês têm pra oferecer ao resto do país?

Ou vocês pensam que são os bons só porque deram à literatura brasileira nomes como o do alagoano Graciliano Ramos, dos paraibanos, José Lins do Rego e Ariano Suassuna, dos pernambucanos, João Cabral de Melo Neto e Manuel Bandeira, ou então dos cearenses, José de Alencar e a maravilhosa Rachel de Queiroz?

Só porque o Maranhão nos deu Gonçalves Dias, Aluisio Azevedo, Arthur Azevedo, Ferreira Gullar, José Louzeiro e Josué Montello, e o Ceará nos presenteou com José de Alencar e Patativa do Assaré e a Bahia em seus encantos nos deu como herança Jorge Amado, vocês pensam que podem tudo?

Isso sem falar no humor brasileiro, de quem sugamos de vocês os talentos do genial Chico Anysio, do eterno trapalhão Renato Aragão, de Tom Cavalcante e até mesmo do palhaço Tiririca, que foi eleito o deputado federal mais votado pelos... Pasmem... PAULISTAS!!!

E já que está na moda o cinema brasileiro, ainda poderia falar de atores como os cearenses José Wilker, Luiza Tomé, Milton Moraes e Emiliano Queiróz, o inesquecível Dirceu Borboleta, ou ainda do paraibano José Dumont ou de Marco Nanini, pernambucano.

Ah! E ainda os baianos Lázaro Ramos e Wagner Moura, que será eternizado pelo “carioca” Capitão Nascimento, de Tropa de Elite, 1 e 2.

Música? Não, vocês nordestinos não poderiam ter coisa boa a nos oferecer, povo analfabeto e sem cultura...

Ou pensam que teremos que aceitar vocês por causa da aterradora simplicidade e majestade de Luiz Gonzaga, o rei do baião? Ou das lindas canções de Nando Cordel e dos seus conterrâneos pernambucanos Alceu Valença, Dominguinhos, Geraldo Azevedo e Lenine? Isso sem falar nos paraibanos Zé e Elba Ramalho e do cearense Fagner...

E Não poderia deixar de lembrar também da genial família Caymmi e suas melofias doces e baianas a embalar dias e noites repletas de poesia...

Ah! Nordestinos...

Além de tudo isso, vocês ainda resistiram à escravatura? E foi daí que nasceu o mais famoso quilombo, símbolo da resistência dos negros á força opressora do branco que sabe o que é melhor para o nosso país? Por que vocês foram nos dar Zumbi dos Palmares? Só para marcar mais um ponto na sofrida e linda história do seu povo?

Um conselho, pobres nordestinos. Vocês deveriam aprender conosco, povo civilizado do sul e sudeste do Brasil. Nós, sim, temos coisas boas a lhes ensinar.

Por que não aprendem conosco os batidões do funk carioca? Deveriam aprender e ver as suas meninas dançarem até o chão, sendo carinhosamente chamadas de “cachorras”. Além disso, deveriam aprender também muito da poesia estética e musical de Tati Quebra-Barraco, Latino e Kelly Key. Sim, porque melhor que a asa branca bater asas e voar, é ter festa no apê e rolar bundalelê!

Por que não aprendem do pagode gostoso de Netinho de Paula? E ainda poderiam levar suas meninas para “um dia de princesa” (se não apanharem no caminho)! Ou então o rock melódico e poético de Supla! Vocês adorariam!!!

Mas se não quiserem, podemos pedir ao pessoal aqui do lado, do Mato Grosso do Sul, que lhes exporte o sertanejo universitário... Coisa da melhor qualidade!

Ah! E sem falar numa coisa que vocês têm que aprender conosco, povo civilizado, branco e intelectualizado: explorar bem o trabalho infantil! Vocês não sabem, mas na verdade não está em jogo se é ou não trabalho infantil (isso pouco vale pra justiça), o que importa mesmo é o QUANTO esse trabalho infantil vai render. Ou vocês não perceberam ainda que suas crianças não podem trabalhar nas plantações, nas roças, etc. porque isso as afasta da escola e é um trabalho horroroso e sujo, mas na verdade, é porque ganha pouco. Bom mesmo é a menina deixar de estudar pra ser modelo e sustentar os pais, ou ser atriz mirim ou cantora e ter a sua vida totalmente modificada, mesmo que não tenha estrutura psicológica pra isso... mas o que importa mesmo é que vão encher o bolso e nunca precisarão de Bolsa-família, daí, é fácil criticar quem precisa!

Minha mensagem então é essa: - Calem a boca, nordestinos!

Calem a boca, porque vocês não precisam se rebaixar e tentar responder a tantos absurdos de gente que não entende o que é, mesmo sendo abandonado por tantos anos pelo próprio país, vocês tirarem tanta beleza e poesia das mãos calejadas e das peles ressecadas de sol a sol.

Calem a boca, e deixem quem não tem nada pra dizer jogar suas palavras ao vento. Não deixem que isso os tire de sua posição majestosa na construção desse povo maravilhoso, de tantas cores, sotaques, religiões e gentes.

Calem a boca, porque a história desse país responderá por si mesma a importância e a contribuição que vocês nos legaram, seja na literatura, na música, nas artes cênicas ou em quaisquer situações em que a força do seu povo falou mais alto e fez valer a máxima do escritor: “O sertanejo é, antes de tudo, um forte!”

José Barbosa Junior, na madrugada de 03 de novembro de 2010.

Fonte: http://www.crerepensar.com.br/index.php?option=com_content&task=view&id=204&Itemid=26

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

SERRA: Católico, Evangélico ou Oportunista?




O Funambulístico Pastor EVANGÉLICO Silas Malafaia, declara apoio ao PLURIRELIGIOSO incrédulo José Serra, que reza para a padroeira dos CATÓLICOS do Brasil Nossa Senhora Aparecida, a mesma que já recebeu socos e chutes do delinqüente bispo Sérgio Von Helder da mesma coligação religiosa que Silas Malafaia.



Alguém saberia dizer se o Serra é Católico, Evangélico ou apenas mais um devoto do SANTO OPORTUNISMO? Ainda desconfio que ele também bata um tamborzinho...




Ao menos devo admitir que, o Pastor e sua Ovelha Negra possuem uma coisa em comum: ambos seguem rigorosamente os sacros ensinamentos de Judas. Silas Malafaia participava do programa 25a Hora da TV Record ao lado do Oprobriosíssimo Bispo Macedo, onde criticava veementemente a Rede Globo. Mas hoje, ao considerar Edir Macedo inservível tornou-se seu maior crítico. Já o PLURIRELIGIOSO José Serra, embora declare ser totalmente contra o aborto – ao julgar o ex-amigo FHC desusado – não hesitou em ABORTÁ-LO do começo da sua campanha.

sábado, 16 de outubro de 2010

E-MAIL À REVISTA VEJA




Prezados Ignominiosos Editores,
.
Em reciprocidade à indecorosa postura de NEUTRALIDADE PARTIDÁRIA CONFESSA que vocês replicam monotematicamente toda semana, pergunto-lhes com os resquícios esperançosos de um ex-assinante:

1. Quando deixarão de ser uma facção para tornarem a ser apenas uma revista?

2. Quando priorizarão seus leitores ao revés dessa irascível ideologia política enfadosa?

3. Até quando persistirão replicando com os brasileiros as mesmas estratégias do
jornal de propaganda nazista Die Nationalsozialistischen Briefe de GOEBBELS?

4. Será que as indubitáveis vantagens obscuras que recebem, valem muito mais do que o honroso dever informativo da imprensa?

5. Embora não espere de vocês uma ética Kantiana, até mesmo na prática anarquista que a revista utiliza ao revés da liberdade de imprensa, requer uma diminuta sabedoria para organizar um sistema isento de qualquer forma de coação.

Imensamente envergonhado.
Marcus Deminco

QUAL DOS CANDIDATOS É O MAIS CRISTÃO?




No primeiro turno, estupidamente, pensei que a eleição era para eleger um presidente, todavia, agora que compreendi que a disputa, na verdade, é para decidir qual dos dois candidatos é o mais santificado, em respeito aos ensinamentos bíblicos, eu não posso mais votar na Dilma. O Serra cada dia mais consegue me convencer que é mesmo o novo messias.
.
Igualmente ao episódio da multiplicação dos pães (Mt 14, 13-21), quando com poucos pães e peixes Jesus saciou milhares de homens, Serra demonstra ter o mesmo dom divino:
.
Sem explicar aos seus discípulos como fará o incrível milagre da multiplicação do dinheiro, ele prometeu elevar o salário mínimo para R$ 600, aumentar as aposentadorias e as pensões do INSS em 10%, e aumentar também o salário dos professores – COM A RESSALVA QUE ELE VAI COLOCAR DOIS PROFESSORES NA SALA DE AULA.
.
Rezarei apenas para que – diferentemente de seu fiel apóstolo Fernando Henrique Cardoso – ele não rogue de joelhos ao seu pai, o FMI.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Presidenciáveis ou Episcopais? Eleição ou Conclave?



Diante dessa sacramentada disputa enfadada do segundo turno, enquanto os dois candidatos tentam demonstrar quem é o mais cristão fico verdadeiramente em dúvida se eles estão disputando a presidência do país ou alguma espécie de conclave para um cargo eclesiástico. Se essa bendita disputa continuar tão religiosamente monotemática assim, o Tribunal Superior Eleitoral vai acabar exigindo que – no dia 31 de outubro – além do documento oficial com foto, também tenhamos que apresentar o nosso atestado de batismo para que possamos votar no mais santo deles dois. AMÉM!!

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

A BALBÚRDIA CIRCENSE DEMOCRÁTICA





Veja a votação dos palhaços sem graça, dos artistas anônimos, dos cantores sem futuro e dos atletas aposentados que participaram como arlequins fantasiados de candidatos, dessa balbúrdia circense democrática.


TIRIRICA – 1.348.036 eleito para deputado federal por SP

TATI QUEBRA BARRACO – 1.051 não eleita deputada federal pelo RJ

LEANDRO DO KLB – 62.178 não eleito (por 300 votos) deputado estadual por SP

ROMÁRIO – 146.817 eleito deputado federal pelo RJ

MULHER MELÃO – 1.650 não eleita deputada estadual pelo RJ

PEDRO MANSO – 4.394 não eleito deputado estadual pelo RJ

KIKO DO KLB – 37.964 não eleito deputado federal por SP

BATORÉ – 22.955 não eleito deputado federal por SP (mas é o principal que pode mudar, devido aos votos do Maluf)

RONALDO ESPER – 3.351 não eleito deputado federal por SP

VAMPETA – 15.279 não eleito deputado federal por SP

MARCELINHO CARIOCA – 62.279 não eleito deputado federal por SP

TULIO MARAVILHA – 4.526 não eleito deputado estadual por GO

JEAN WYLLYS – 13.016 eleito deputado federal pelo RJ

RAUL GIL JR. – 17.407 não eleito deputado federal por SP

NETINHO – 7.760.071 não eleito senador por SP

MOACIR FRANCO – 411.186 não eleito senador por SP

MAGUILA – 2.947 não eleito deputado federal por SP

JOÃOSINHO TRINTA – 233 não eleito deputado distrital (DF)

SIMONY – 6.983 não eleita deputada federal por SP

MULHER PÊRA e DHOMINI – por algum motivo não está com nenhum voto.

Fonte: http://www.clubedatv.com.br/2010/10/04/lista-de-votos-e-candidatos-famosos-eleitos/

JOSÉ SERRA TEM NOJO DE POBRE

JOSÉ SERRA TEM NOJO DE POBRE


domingo, 3 de outubro de 2010

JOSÉ SERRA (THE ECONOMIST)




No Jornal Nacional do dia 17 de Agosto, na série sobre as preocupações dos cidadãos: Por que a saúde é a maior de todas? Na longa reportagem, “o governo relata avanços, mas 41% dos cidadãos escolheram a área como a que mais preocupa diz a repórter”.
.
Quanta “coincidência!” No programa eleitoral do candidato tucano dessa mesma noite, o tema foi único… A SAÚDE! No entanto, o jornal americano, “ECONOMIST” que também viu a propaganda do Serra escreveu:
.
“Mas a inadequação de Serra no palco eleitoral se mostrou incontornável. No dizer da “Economist”, antecipando-se à sua “apresentação”,
.
“ELE APARENTA SER INSÍPIDO, EXCETO QUANDO SORRI, QUANDO PARECE ASSUSTADOR”

Por Helene no blog: http:///

.
PEDÁGIOS DO SERRA


JOSÉ SERRA TEM NOJO DE POBRE




Na foto tirada enquanto José Serra fazia campanha no Paraná, os leitores podem notar o candidato tucano pega -sem muito entusiasmo- na mão de uma eleitora e beija a própria mão.. Perceba que Serra mantém distância do povo, lá no alto, enquanto lá em baixo uma filinha de senhoras tentam cumprimentar o candidato. Não é novidade para ninguém que o PSDB é o partido dos ricos, dos bancos, das classes altas e da massa cheirosa, como define a tucana Eliane Cantanhêde.


A imagem reforça uma matéria publicado em 2009 na revista Piauí….
“Era quase meia-noite quando entrou Serra no carro e tomou o rumo do aeroporto, onde o jatinho do governo paulista o aguardava para levá-lo de volta.Ao sentar, imediatamente pegou um frasco de álcool, à sua disposição no bolsão do assento do passageiro, e limpou as mãos. A gripe suína não existia ainda: há anos ele tem o hábito de lavar as mãos várias vezes ao dia, sobretudo depois de cumprimentar estranhos; quando não pode, usa álcool.” Na revista Piauí


Vamos ver como Lula, uma vez deputado e duas vezes presidente, é tratado e trata o povo?
Agora o Serra, político profissional. Já ocupou dois ministérios no governo de Fernando Henrique Cardoso. Está enraizado no governo paulista há mais de 15 anos.Já foi prefeito, governador, vereador, e outras coisitas mais…Veja como trata o povo…


Enquanto o José Serra nem olha para a cara do leitor….



Eliane Cantanhêde tem razão!
Clique aqui para ver o vídeo imperdível da colonista (*) da Folha (*), a Eliane Catanhêde, sobre a “massa cheirosa”. Em tempo: o Howard Hughes começou como o Serra e acabou maluco.

Extraído do site Amigos do Presidente (clique aqui para ler Blog ganha da treva na Justiça)

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

DEUS CRIOU O MAL?




Contam que durante uma conferência com vários universitários, um professor da Universidade de Berlim desafiou seus alunos com esta pergunta: “Deus criou tudo o que existe?"
Um aluno respondeu com grande certeza:
-Sim, Ele criou!
-Deus criou tudo? - Perguntou novamente o professor.
-Sim senhor! - Respondeu o jovem.
O professor indagou:
-Se Deus criou tudo, então Deus fez o mal? Pois o mal existe, e partindo do preceito de que nossas obras são um reflexo de nós mesmos, então Deus é mau?
O jovem ficou calado diante de tal resposta e o professor, feliz, se regozijava de ter provado mais uma vez que a fé era uma perda de tempo.
Outro estudante levantou a mão e disse:
-Posso fazer uma pergunta, professor?
-Lógico, foi a resposta do professor.
O jovem ficou de pé e perguntou:
-Professor, o frio existe?
-Que pergunta é essa? Lógico que existe, ou por acaso você nunca sentiu frio?
Com uma certa imponência rapaz respondeu:
-De fato, senhor, o frio não existe. Segundo as leis da Física, o que consideramos frio, na realidade é a ausência de calor. Todo corpo ou objeto é suscetível de estudo quando possui ou transmite energia, o calor é o que faz com que este corpo tenha ou transmita energia. O zero absoluto é a ausência total e absoluta de calor, todos os corpos ficam inertes, incapazes de reagir, mas o frio não existe. Nós criamos essa definição para descrever como nos sentimos se não temos calor.
-E, existe a escuridão? Continuou o estudante.
O professor respondeu temendo a continuação do estudante: Existe!
O estudante respondeu:
-Novamente comete um erro, senhor, a escuridão também não existe. A escuridão na realidade é a ausência de luz. A luz pode-se estudar, a escuridão não! Até existe o prisma de Nichols para decompor a luz branca nas várias cores de que está composta, com suas diferentes longitudes de ondas. A escuridão não!
Continuou:
-Um simples raio de luz atravessa as trevas e ilumina a superfície onde termina o raio de luz.
Como pode saber quão escuro está um espaço determinado? Com base na quantidade de luz presente nesse espaço, não é assim?! Escuridão é uma definição que o homem desenvolveu para descrever o que acontece quando não há luz presente.
Finalmente, o jovem perguntou ao professor:
-Senhor, o mal existe?
Certo de que para esta questão o aluno não teria explicação, professor respondeu:
-Claro que sim! Lógico que existe. Como disse desde o começo, vemos estupros, crimes e violência no mundo todo, essas coisas são do mal!
Com um sorriso no rosto o estudante respondeu:
-O mal não existe, senhor, pelo menos não existe por si mesmo. O mal é simplesmente a ausência do bem, é o mesmo dos casos anteriores, o mal é uma definição que o homem criou para descrever a ausência de Deus. Deus não criou o mal. Não é como a fé ou como o amor, que existem como existem o calor e a luz. O mal é o resultado da humanidade não ter Deus presente em seus corações. É como acontece com o frio quando não há calor, ou a escuridão quando não há luz.
Por volta dos anos 1900, este jovem foi aplaudido de pé, e o professor apenas balançou a cabeça
permanecendo calado… Imediatamente o diretor dirigiu-se àquele jovem e perguntou qual era seu nome?
E ele respondeu:
ALBERT EINSTEIN, senhor!

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

GRAVES DENÚNCIAS CONTRA JOSÉ SERRA

.

Depois de fingir desconhecer completamente o seu ex-amigo, ex-presidente e ex-nunca-chato-posado, Fernando Henrique Cardoso, e após renegar seus três irmãos: DR. DRAUZIO VARELLA, MARCOS CARUSO E MR. BURNS, o presidenciável previamente derrotado, José Serra tenta agora, desesperadamente, desmentir as mais perigosas denúncias contra a sua campanha.

Embora tenha sido visto, participando diariamente de rituais de exorcismo, o tucano com seus insípidos traços de EXTRATERRESTRE ELITISTA, não confirma ter mesmo recebido um telefonema do feiticeiro vocalista dos Rolling Stones, Mick Jagger afirmando estar torcendo por ele.

E AGORA JOSÉ?