segunda-feira, 13 de maio de 2013

E-Mail à Secretária de Direitos Humanos do Brasil sobre a Falta de Ritalina




Excelentíssima Sra. Maria do Rosário Nunes
Ministra-chefe da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.

Respeitosamente, dirijo-me a V. Ex.ª com a diminuta esperança de conseguir compreender – o que até agora sequer foi explicado – sobre o que está acontecendo de fato, entre a indústria farmacêutica Novartis, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), a ausência do medicamento Ritalina 10mg (cloridrato de metilfenidato) e essa tamanha falta de respeito. Além da ausência de alguma justificativa menos inverossímil entre as poucas divulgadas. Por conseguinte, com intento de fazer o possível para inteirar V. Ex.ª sobre todos os fatos já expostos transcrevo logo abaixo o mesmo e-mail encaminhado à ANVISA, Novartis e ao Ministério Público. Seguido ainda com cópia para Secretaria Nacional de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos, Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Assessoria de Comunicação Social, Ouvidoria-Geral da Cidadania e Assessoria Internacional.
Desde já,
Com meus sinceros agradecimentos,
Marcus Deminco
Salvador – BA. 7 de Maio de 2013.

_____

Quinta-feira, 2 de maio de 2013.
Prezados (as) Srs. (as). Bom dia!

Chamo-me Marcus Deminco, sou Psicólogo, Escritor, autor do livro, EU E MEU AMIGO DDA (Autobiografia de um portador do Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade); Dr. h.c. em TDAH, Tutor de Programação Neurolinguística, Prof. de Educação Física e tenho Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade.
Será que alguns de vocês já ouviram falar alguma coisa sobre isso? Eu prefiro presumir que sim. Pois somente assim, poderei camuflar a minha certeza para não admitir como provável a coexistência de alguma forma negligente de omissão: nem fantasiada de descaso e/ou malvestida de ignorância. E embora restem ainda alguns cacarecos com um cheiro forte de conivência, eu acredito – apenas para aparentar a simpatia de um idiota passivo – que se ouviram falar, possivelmente não escutaram o que ouviram ou aprenderam com quem não sabia, e quando se aprende algo errado com a certeza de que é o correto, inevitavelmente, acabamos cometendo inúmeros equívocos sem nem saber o que está errado.
O pior, porém, é quando a presunção do pensar que se sabe torna-se maior do que a consciência de enxergar os primitivos erros. Tende-se a cometer cada vez novos erros em evolutivas proporções. E no momento em que algo de muito grave acontece, como possivelmente agora, por não julgarmos sua conduta descurada, instintivamente sairemos procurando quem cometeu a nossa culpa. Como dizia Nietzsche: As convicções são inimigas mais perigosas da verdade do que as mentiras.
Sempre que sou convidado por algum veiculo de comunicação para conceder uma entrevista falando sobre o TDAH, acabo me defrontando com algumas indagações perigosas de serem respondidas. Não apenas pelas suas possíveis consequências, mas, principalmente, porque elas deveriam ser respondidas por alguns de vocês. Entretanto, se ninguém até agora falou nada sobre o que sempre falaram tanto, atrevo-me a falar pela mudez de vocês. Pois, como vaticinava Luther King: A covardia coloca a questão: É SEGURO? O comodismo coloca a questão: É POPULAR? A etiqueta coloca a questão: É ELEGANTE? Mas a consciência coloca a questão: É CORRETO? E chega a uma altura em que temos de tomar uma posição que não é segura, não é elegante, não é popular, mas o temos de fazer porque a nossa consciência nos diz que é essa a ATITUDE CORRETA.
E seguindo os brados da minha consciência, em respeito ao desrespeito que – tanto a ANVISA quanto a Novartis e seus apadrinhados patrocinados – estão destratando os milhões de brasileiros que possuem Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade, decidi atender aos apelos incontroláveis do meu córtex orbito frontal e escrever-lhes de forma aberta. Disponibilizando o conteúdo deste e-mail no linkhttp://marcusdeminco.blogspot.com.br/2013/05/para-anvisa-novartis-e-mpf.html. Assim – além de tentarem elucidar algumas questões que já deveriam ter sido esclarecidas – vocês poderiam aproveitar para definir uma resposta sóbria entre nenhuma sensata que possa relatar como ocorreu o que nunca houve. Ou talvez, como quem sabe daquilo que não se conhece, possam ainda conseguir explicar o inexplicável.

Admitindo, de antemão, a minha juridicidade totalmente ignorante – mas ignorantemente consciente das gravidades dos fatos – solicito ainda, respeitosamente ao MINISTÉRIO PÚBLICO que apure o quanto existe de verdade entre todos esses achismos (sobretudo, concernente aos fatos inseridos nos links 2 e 3).

1. Sobre a falta de Ritalina 10mg e as contraditórias justificativas.

http://marcusdeminco.blogspot.com.br/2013/05/a-falta-de-ritalina-10mg-e-as.html#links


2. ANVISA X NOVARTIS. HOUVE CRIME?

 

3. Será que a ANVISA NÃO Sabia?


4. Quanto ao excesso no consumo de Metilfenidato no Brasil.

5. Sugestões para NOVARTIS.

6. Sugestões para ANVISA.

7. Recado aos RENOMADOS especialistas.

8. Alguns crimes praticados pela NOVARTIS por todo mundo


Atenciosamente,
Marcus Deminco


Nenhum comentário: